Este é um Blog educacional, dedicado a discussões acadêmicas sobre a Ecologia Evolutiva. Contém chamadas específicas relacionadas às disciplinas de Ecologia da Universidade Federal de Ouro Preto, e textos didáticos gerais.
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011
Para a prova final de Evolução bach/2011

O que é espécie? Uma análise provocativa!

O capítulo introdutório do livro do Levin (2000 – The origin, expansion and demise of plant species) deixa claro que o que aceitamos como espécie é na verdade um apanhado de propriedades emergentes que atribuímos a um grupo de populações que comungam destas propriedades em seus detalhes. Assim, desde as características morfo-comportamentais, que são a expressão fenotípica dos caracteres selecionados, até a relação de troca gênica panmítica e universal entre grupos/linhagens, fundamentam a definição geral do que seria uma espécie. Observe, nada disto existe em "um indivíduo", mas é uma propriedade emergente por ser um produto comum que nos permite eleger uma identidade! Entretanto, para bem além da reprodução panmítica com descendentes férteis, temos aspectos controversos nos limites de quem é quem, em especial nos trópicos, onde espécies co-genéricas, variedades, sub-spécies e ecotipos são amplamente confundíveis. Ao aprofundarmos os estudos sobre qualquer espécie de ampla distribuição biogeográfica, descobrimos variações constantes, que se seguidas ao longo de gradientes ambientais (aumento de altitude, aumento de umidade, aumento de nutrientes, etc) correspondem aos clines. Estes são séries contínuas de populações com ligeiras diferenças direcionais, frutos de ajustes finos às pressões seletivas gradualmente diferentes. Já vimos que os clines são a matéria prima para um tipo de especiação, que é a especiação parapátrica.

Toda a dúvida fica porém, na percepção do que será o limite da distribuição de uma espécie. Afinal, se a espécie muda em ambientes distintos, o que será então o limite que marca o surgimento de uma nova espécie, via especiação, no tempo? Todas estas análises passam por estes conceitos às vezes frágeis, e pela dúvida de até onde uma espécie pode ir sem perder a premissa de não isolamento e fluxo gênico. Este ainda é um ponto frágil da Moderna Síntese. Embora o neo-darwinismo lide maravilhosamente bem com a sobrevivência do mais apto, e com a origem de uma espécie via a mutação de uma outra ancestral, a Teoria não apresenta todos teoremas para esclarecer este ponto de mudança, esta virada e quebra entre um “ente” para outro “ente” biológico, identificável.

               É nesta interface que surge a Macroecologia, ou a análise evolutiva de grupos. Basicamente, o conceito de espécies (a despeito das dúvidas de como aplicá-lo para toda a vida) surge da percepção de agrupamentos legítimos que acomodam a diversidade da vida. Em outras palavras, a diversidade não ocorre como um continuum, mas em agrupamentos discretos onde organismos se assemelham em diferentes graus. Não há meio anfíbios-meio peixes. Se ocorre a evolução de um uma série co-ocorrentes de caracteres que distinguem um conjunto de espécies, estas se acomodam em um agrupamento reconhecível, uma unidade filogenética decorrente de um ancestral comum. Toda radiação adaptativa ou mera especiação que carregue estes caracteres reconhecíveis resulta em novas espécies para este “grupo” ou, mais tecnicamente, taxon elevado (gênero, tribo, família ou mesmo ordem)!

               Na escala da separação de espécies, o fundamental é a aplicação dos critérios mínimos para reconhecer uma, os quais marcam a história temporal da origem daquela espécie:

- Separação – caracteres mesmo que fracamente perceptíveis, definem uma nova linhagem que se distancia das formas ancestrais (mesmo antes de qualquer isolamento reprodutivo);

- Coesão – há uma coesão comportamental/fenotípica relacionada ao compartilhamento genético de características e ecológico, relacionado à ocupação de habitats comuns e co-existência.

- Monofilia – um único ancestral comum

- Distinção – vai da espécie ser separada o bastante para ser “diagnostificável”, a formarem agrupamentos fenéticos e, finalmente, agrupamentos genéticos.

 

Fonte - Stearns, S.C. & Hoekstra, R.F. 2005. Evolution, an introduction. Oxford Press.

 

Assim, responda:

1)      O que são as principais propriedades emergentes que delimitam uma espécie (assuma uma definição que te pareça mais adequada e responda)?

2)      Como podemos definir em que ponto que uma espécie mudou tanto que não poderia mais ser considerada a mesma espécie que a ancestral? Em que escala te parece mais difícil determinar este limiar? Na espacial, ou na temporal? Explique.

3)      Se uma espécie não gerar uma outra espécie além dela (portanto, com a co-existência da espécie ancestral e a espécie derivada), mas simplesmente desaparecer deixando uma descendente, o raciocínio muda de que maneira?

4)      Descreva da maneira que achar melhor uma hipótese evolutiva-filogenética sobre como o surgimento de algum caracter em especial (em animais,  plantas ou microorganismos) pode levar a todo um novo agrupamento taxonômico, e faça suas considerações/críticas sobre o entendimento de tais fenômenos macroevolutivos à luz dos “critérios de surgimentos de novas espécies”.

 

São questões difíceis, não desespere, mas tente forçar seu raciocínio e leitura ao máximo para respondê-las.

OBS - mudei de idéia quanto às perguntas de vocês, não terão que respond~e-las. Façam estas quatro perguntas minhas, e farei a correção das perguntas para cada grupo.

 

A PROVA DEVE SER ENVIADA POR EMAIL ATÉ DIA 12/12 PELA MANHA, E TAMBÉM ENTREGUE IMPRESSA PARA A PROFA. CINTHIA, DE 13:30 AS 14:00 NA MINHA SALA. A PROF. CINTHIA ESTÁ ORIENTADA A NÃO RECEBER NENHUMA PROVA FORA DESTE INTERVALO.

Plágio de escrita será investigado e devidamente punido.

Exame Especial - 19 de dezembro, horário da aula

 

 

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:54
link do post | comentar | favorito

pesquisar neste blog
 
posts recentes

Convite a visitar meu out...

material de aula por emai...

Mera observação

leitura de contraposição:...

Feliz dia dos professores

Para quem que notícias so...

Preparando para a prova

A mente do cientista e a ...

Resenha do livro " causa ...

Leitura para 14 de março ...

A euqação da Co-existênci...

Avaliação Final de Ecolog...

Para a prova final de Evo...

Belo Monte para cientista...

Seminários - Evolução da ...

Seminários - Evolução Hum...

SemináriosEvolução Bach 2...

Seminários Evol Bach 2011...

Seminários de Evolução 20...

orientações para a prova ...

Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Copyscape
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
arquivos

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

links
Copyscape
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds